Notícias

O uso de PUDs para revestimentos de têxteis e de policarbonatos para peças nos calçados foi tema do Happy Hour com Tecnologia

O uso de PUDs para revestimentos de têxteis e de policarbonatos para peças nos calçados foi tema do Happy Hour com Tecnologia 23 AGOSTO

Os representantes técnicos e comerciais da Covestro, Rudolf Buneker e Costabile Landim, foram os palestrantes do Happy Hour com Tecnologia do IBTeC, na quarta-feira (21 de agosto). Eles apresentaram as soluções da empresa que tem origem na Alemanha, e que hoje está na Europa, América do Norte, América do Sul e Ásia, para os mais variados mercados, incluindo o setor calçadista.

Empenhada em apresentar soluções que tragam benefícios econômicos com compromisso com a sustentabilidade ambiental, a Covestro focou a palestra nas inovações da indústria para o setor calçadista, com o uso de polímeros no revestimento dos mais variados substratos flexíveis e na produção de partes dos calçados, como saltos e biqueiras.

Rudolf Buneker abriu o encontro falando das vantagens do uso de PUDs como a solução para o Século 21, por se tratar de um material extremamente leve, forte, versátil e com uma excelente relação de custo-benefício. Especificamente sobre o uso de PUDs para revestimentos de altas performances para substratos flexíveis, ele chamou a atenção para o que a Covestro chama de “química eco amigável”, processo criado com a implementação de processos base água, com drástica redução do uso de água no processo de aplicação dos polímeros. O sistema INSQIN® da Covestro reduz pela metade a emissão de VOCs e reduz em 95% o consumo de água no processo produtivo de laminados sintéticos. A solução veio para eliminar etapas do ciclo produtivo. De acordo com Rudolf, “até agora a produção de laminados sintéticos feitos com poliuretanos tinha um processo muito caro, o que nós resolvemos com nossa tecnologia que elimina etapas no processo, reduz a emissão de VOCs a praticamente zero, além da questão do uso de água no processo de aplicação, diminuição do consumo de energia e dos custos agregados oriundos da periculosidade do antigo sistema”. Com a colocação de uma espuma para a formação da película, é possível fazer uma aplicação mais rápida e ambientalmente correta. Tudo isto sem a necessidade de mudanças drásticas no equipamento dos fabricantes de laminados.

De acordo com Rudolf, “no Brasil a grande maioria dos fabricantes tem equipamentos capazes, que permitem a migração do processo apenas com pequenos ajustes”. De acordo com os dados apresentados pelo palestrante, “se toda a indústria têxtil migrasse para processos aquosos o impacto, em um ano seria de redução do aquecimento global - a compensação da emissão de CO2 no ambiente seria equivalente à emissão de 6 milhões de carros diariamente (mais que toda a frota de Londres, Los Angeles e Hong Kong). Já a economia de água seria equivalente ao uso diário de 340 mil pessoas na China.

Ele lembrou ainda que, sem o uso de solvente, os materiais produzidos com PUD base água trazem benefícios também para a exportação, além da segurança na estocagem.

Costabile Landim falou sobre o uso de policarbonatos na fabricação de partes dos calçados como inovação. Salientou a versatilidade do produto, que representa inovação, pela liberdade de design, leveza e segurança. Saltos mais finos, com extrema estabilidade e resistência, também estão entre as vantagens do uso do material. Costabile chama a atenção para o fato de que o uso dos materiais Covestro, juntamente com projeto de produto, pode favorecer à eliminação do inserto metálico no salto de calçados.

O palestrante também apresentou a nova Tecnologia Maezio – compósitos termoplásticos reforçados com fibra contínua. Trata-se de tecnologia ainda em desenvolvimento, com o objetivo de revolucionar o segmento de calçados. Um dos diferenciais desta matéria-prima é o emprego de fibras longas como solução para obtenção de maiores resistências e redução de peso, garantindo leveza, versatilidade e liberdade de design, características comuns para os policarbonatos Covestro.