Notícias

IBTeC aposta no incremento da procura por pesquisas na área de Biomecânica e conforto para calçados

IBTeC aposta no incremento da procura por pesquisas na área de Biomecânica e conforto para calçados 19 NOVEMBRO

Pesquisas mostram que consumidores de todas as idades, de todos os cantos do Planeta, buscam produtos e estilo de vida que resultem em conforto e bem-estar. As próprias tendências de moda apontam para este movimento social que é mundial.

Diante desta realidade, o Instituto Brasileiro de Tecnologia do Couro, Calçados e Artefatos – IBTeC – projeta para os próximos dois anos investimentos intensos em seu Laboratório de Biomecânica, responsável por pesquisas na busca de tecnologias e sistemas de construção de calçados que proporcionem não apenas bem-estar, mas principalmente, que promovam a saúde do corpo humano, a partir de sistemas de absorção do impacto da pisada, estabilização da marcha humana, entre outros aspectos.

O presidente executivo do Instituto, Paulo Griebeler, lembra que “em eventos como a Zero Grau, que será realizada em Gramado, de 19 a 21 de novembro, teremos vários expositores lançando calçados focados em tecnologias desenvolvidas em conjunto com a Biomecânica do IBTeC”.

Com 17 anos de existência, o Laboratório de Biomecânica do IBTeC foi criado com o objetivo de desenvolver o Selo de Conforto para calçados destinados ao mercado nacional. A partir deste primeiro passo, o Instituto passou a trabalhar em pesquisas, para desenvolver sistemas e tecnologias que contribuíssem para agregar valor aos calçados brasileiros não apenas do ponto de vista do conforto, mas também de performance para calçados esportivos, de proteção, para o desenvolvimento das crianças, entre outros. “E hoje, temos exemplos de marcas que se destacam por seus investimentos na busca de valor percebido em seus produtos”, afirma o presidente executivo do instituto.

O Brasil é pioneiro na criação de normas técnicas para quantificar o conforto oferecido por um calçado e da metodologia para fazer esta medição. Para que as normas sejam atendidas, os testes precisam ser realizados em ambiente preparado, obedecendo a normas técnicas publicadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), conforme estudos realizados pelo Comitê Brasileiro do Couro, Calçados, e Artefatos de Couro (CB-11).

O Laboratório possui tecnologias capazes de medir o impacto propagado sobre as estruturas ósseas,  instrumentos que medem a temperatura do pé dentro do calçado, além de possuir estrutura para realizar análises de produtos in loco.

Hoje o país tem normas específicas já publicadas que quantificam o conforto. Dentre elas, destacam-se massa do calçado; distribuição de pressão plantar; temperatura interna do calçado; índice de amortecimento do calçado; índice de pronação do calçado; percepção de calce. Além destas normas, existem outras relacionadas aos componentes (solados, palmilhas e forros), que são submetidos a ensaios mecânicos para a caracterização dos materiais. Os componentes também são analisados quanto às substâncias usadas na sua fabricação, para determinar se está dentro dos níveis aceitáveis, de acordo com a legislação do país para o qual os calçados que serão produzidos com ele se destinam.

De acordo com o professor Aluisio Avila, coordenador do Laboratório, “um calçado é confortável quando permite à pessoa se concentrar no seu desempenho; quando oferece um bom calce sem pressões excessivas sobre os pés; quando é  leve e flexível para economizar energia e poupar a musculatura; quando permite a transpiração, mantendo os pés secos e levemente aquecidos; quando evita a pronação excessiva do calcâneo na fase do impacto do calçado com a superfície de apoio, protegendo de lesões no sistema musculoesquelético, quando oferece atrito suficiente, permitindo caminhar seguro;  quando tem amortecimento na fase de impacto, minimizando as vibrações transmitidas para o corpo e protege as estruturas musculoesqueléticas.

As regulamentações de conforto foram aperfeiçoadas através do Comitê Brasileiro do Couro, Calçados e Artefatos de Couro (CB-11) e, a partir de 2004, a Norma Geral e os ensaios de Massa, Pressão, Temperatura Interna, Amortecimento de Impacto, Índice de Pronação e Percepção de Calce passaram a ser publicadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).